jusbrasil.com.br
11 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Superior do Trabalho TST - RECURSO ORDINARIO TRABALHISTA: ReeNec e RO XXXXX-26.2010.5.04.0000

Tribunal Superior do Trabalho
há 10 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

Subseção II Especializada em Dissídios Individuais

Publicação

Relator

Alberto Luiz Bresciani De Fontan Pereira
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

Remetente : TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO Recorrente : UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM Procurador : Dr. Sérgio Volker Recorrente : ALFEU RIEFFEL CORRÊA E OUTROS Advogado : Dr. Thiago Mathias Genro Schneider Recorrido : OS MESMOS Autoridade Coatora : JUIZ TITULAR DA 1ª VARA DO TRABALHO DE SANTA MARIA AB/pr D E C I S Ã O Juntem-se as petições XXXXX-01/2012 e XXXXX-04/2012, pelas quais os Impetrantes pugnam pelo deferimento do pedido liminar formulado na petição inicial do mandado de segurança, bem como em razões de recurso ordinário, objetivando a suspensão da execução que se processa nos autos da reclamação trabalhista nº XXXXX-19.1989.5.04.0701, até decisão final. Trata-se de recurso ordinário interposto pelos Impetrantes contra o acórdão de fls. 326/326, mediante o qual o Eg. Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região concedeu a segurança para afastar a incidência do art. 475-J do CPC, denegando-a, contudo, em relação à alegação de impossibilidade de restituição, nos próprios autos da execução, de valores recebidos a maior. Os então Reclamantes, ora recorrentes, sustentam que os valores recebidos a maior, consoante apurado em conta de liquidação, devem ser perseguidos em ação própria, sob pena de afronta ao princípio constitucional do devido processo legal. Asseveram que a sentença de liquidação, pela qual restou homologada a mencionada conta, não constitui título executivo judicial capaz de embasar a execução que se processa nos autos da reclamação trabalhista. Insistem na impossibilidade de devolução, nos próprios autos da execução, de quantias recebidas de boa-fé, ainda que em montante superior ao do crédito trabalhista. É o relatório. DECIDO: Registre-se, de início, que inexiste obstáculo à apreciação de pedido de tutela de urgência requerida em sede recursal, uma vez que se busca, com base na proporcionalidade e na razoabilidade, salvaguardar os bens e valores prevalentes à luz do Direito, sem olvidar, em regra, a irreversibilidade fática da medida de urgência. Reis Friede, Rodrigo Klippel e Thiago Albani, examinando a mesma questão, ressaltam que é possível a análise do pedido de tutela de urgência mesmo em grau recursal, podendo-se buscar a fruição de um bem da vida ou até mesmo obstaculizar esse acesso (o que se teria através da concessão do efeito suspensivo ao recurso). E concluem, afirmando que enquanto não solucionada definitivamente a lide, ou, após sua solução, não entregue o bem da vida ao indivíduo, é possível a obtenção das tutelas de urgência para garantir a referida efetividade da prestação da tutela jurisdicional em qualquer grau de jurisdição (A tutela de urgência no processo civil brasileiro, Niterói/RJ: Impetus, 2009, p. 50). Teori Albino Zavascki, discorrendo sobre a liminar em mandado de segurança, assevera que teoricamente é possível a hipótese em que, denegada a ordem em primeiro grau, e estando o processo no aguardo do julgamento do recurso, consiga o impetrante demonstrar ao tribunal a relevância do seu direito e o risco de dano irreparável (Antecipação da tutela, 7ª ed., São Paulo: Saraiva, 2009, p. 232). E conclui (obra citada, p. 232) : Não há dúvida de que também nessa situação, como ocorre no procedimento ordinário, poderá o relator (e até mesmo deverá) deferir medida antecipatória apta a afastar o perigo de ineficácia do futuro julgamento da apelação . [grifei] Enquanto a tutela definitiva implica cognição formada com base no contraditório e na ampla defesa (art. , LIV e LV, da Carta Magna), a tutela provisória, como espécie de providência imediata e de urgência, deita suas raízes na efetividade do processo, de modo a assegurar que os envolvidos não venham a sofrer danos em razão da demora na prestação jurisdicional ( CF, art. , LXXVIII). Diante de tal recomendação, fácil concluir que a cognição exauriente se presta à busca de juízos de certeza, de convicção, porque o valor por ela privilegiado é o da segurança jurídica , ao passo que a cognição sumária , própria da tutela provisória, dá ensejo a juízos de probabilidade, de verossimilhança, de aparência, de fumus boni iuris , mais apropriados à salvaguarda da presteza necessária a garantir a efetividade da tutela (Teori Albino Zavascki, obra citada, p. 33). Note-se que tanto a tutela cautelar quanto a antecipatória, espécies que são da proteção preventiva, harmonizam a relação jurídica existente entre a segurança jurídica e a efetividade do processo, pois viabilizam a outorga de medidas de natureza temporária, tendentes a frear situações de risco. Portanto, ante o possível confronto entre a segurança e a efetividade, compete ao julgador deferir a medida liminar, de modo a preservar os bens e valores contra futuras ameaças, sem olvidar que tal medida pode ser concedida inaudita altera pars , quando, por exemplo, a bilateralidade for incompatível com a urgência da pretensão provisória. Dispõe o art. 273 do CPC: Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. Já o inciso III do art. da Lei nº 12.016/2009 assim orienta: Art. 7º Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: [...] III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. A gênese dos mencionados preceitos encontra justificação na noção de urgência, cuja matriz dá margem ao julgador para decidir sem a necessidade de aprofundar a cognição. Diante dessa permissão e desde que evidenciada a plausibilidade do direito (fumus boni iuris), impõe-se a pronta atuação do Estado, de modo a combater o perigo da demora (periculum in mora). Na hipótese, ambos os requisitos se materializam. Isso porque o Exmo. Juiz da 1ª Vara do Trabalho de Santa Maria/RS, pela decisão impugnada neste mandado de segurança (fl. 265), após homologar o cálculo de liquidação, em que apurado saldo negativo em desfavor dos então Reclamantes, ora impetrantes, determinou a devolução, nos próprios autos do processo originário, dos valores recebidos a maior, o que, ao menos em cognição sumária, denuncia ofensa ao devido processo legal ( CF, art. , LIV). Por outro lado, a impugnação do ato apontado como coator, mediante remédio jurídico previsto no ordenamento jurídico, não teria o condão de afastar, de imediato, o efeitos daquele comando (restituição, nos autos da própria ação trabalhista, de quantias recebidas a maior), podendo causar prejuízo de difícil reparação, ante a adoção de procedimentos executórios. Com efeito, presentes os requisitos que justificam a proteção de urgência, concedo a liminar, para suspender a execução que se processa nos autos da reclamação trabalhista nº XXXXX-19.1989.5.04.0701, inclusive em relação à audiência designada para o dia 14.6.2012 , até decisão final. Pelo exposto, defiro a liminar pleiteada. Com urgência, transmita-se, inclusive via telefone, ao Exmo. Juiz Titular (ou a quem estiver em exercício da Titularidade) da 1ª Vara do Trabalho de Santa Maria/RS o inteiro teor desta decisão. Publique-se. Intime-se a Litisconsorte Passiva, na forma da Lei. Brasília, 11 de junho de 2012. Firmado por assinatura digital (Lei nº 11.419/2006) Alberto Luiz Bresciani de Fontan Pereira Ministro Relator
Disponível em: https://tst.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/929324271/recurso-ordinario-trabalhista-reenec-e-ro-193932620105040000

Informações relacionadas

Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região TRT-4 - Agravo De Petição: AP XXXXX-19.1989.5.04.0701