jusbrasil.com.br
23 de Outubro de 2019
2º Grau

Tribunal Superior do Trabalho TST - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA : AIRR 105355220135010010 - Inteiro Teor

Tribunal Superior do Trabalho
mês passado
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TST_AIRR_105355220135010010_31f28.rtf
DOWNLOAD

A C Ó R D Ã O

(2ª Turma)

GMDMA/BDS/

I - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA DAS RECLAMADAS REGIDO PELA LEI 13.015/2014. PISO SALARIAL. DIFERENÇA SALARIAL. ADICIONAL NOTURNO. HORAS IN ITINERE. TÍQUETE-ALIMENTAÇÃO. PREQUESTIONAMENTO. A parte reclamada, nas razões de recurso de revista, não observou os pressupostos do art. 896, § 1.º-A, I, da CLT, deixando de indicar o trecho da decisão que consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista. Agravo de instrumento não provido.

II - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA DA RECLAMANTE REGIDO PELA LEI 13.015/2014. MULTA POR EMBARGOS DE DECLARAÇÃO PROTELATÓRIOS (AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO LEGAL OU CONSTITUCIONAL). INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS (AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO LEGAL OU CONSTITUCIONAL). HORAS EXTRAS. INTERVALO INTRAJORNADA. CARTÕES DE PONTO (ART. 896, § 1.º-A, I, DA CLT). Não merece ser provido agravo de instrumento que visa a liberar recurso de revista que não preenche os pressupostos contidos no art. 896 da CLT. Agravo de instrumento não provido.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento em Recurso de Revista nº TST-AIRR-10535-52.2013.5.01.0010, em que são Agravantes e Agravados GOL LINHAS AÉREAS S.A. E OUTROS e DANIELLE DE OLIVEIRA.

O Tribunal Regional do Trabalho da 1.ª Região denegou seguimento aos recursos de revista interpostos pela reclamante e pela parte reclamada.

Inconformadas, ambas as partes interpõem agravo de instrumento, sustentando que seus recursos de revista tinham condições de prosperar.

Foram apresentadas contrarrazões e contraminuta.

Desnecessária a remessa dos autos ao Ministério Público do Trabalho, consoante o art. 95, § 2.º, II, do RITST.

É o relatório.

V O T O

I - AGRAVO DE INSTRUMENTO DAS RECLAMADAS

1 - CONHECIMENTO

Preenchidos os requisitos legais de admissibilidade, CONHEÇO do agravo de instrumento.

2 - MÉRITO

O recurso de revista da parte reclamada teve seu seguimento denegado pelo juízo primeiro de admissibilidade, aos seguintes fundamentos:

Recurso de: GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S/A

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Tempestivo o recurso.

Regular a representação processual.

Satisfeito o preparo.

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

REMUNERAÇÃO, VERBAS INDENIZATÓRIAS E BENEFÍCIOS / SALÁRIO/DIFERENÇA SALARIAL / PISO SALARIAL.

REMUNERAÇÃO, VERBAS INDENIZATÓRIAS E BENEFÍCIOS / SALÁRIO/DIFERENÇA SALARIAL.

DURAÇÃO DO TRABALHO / ADICIONAL NOTURNO.

DURAÇÃO DO TRABALHO / HORAS IN ITINERE.

REMUNERAÇÃO, VERBAS INDENIZATÓRIAS E BENEFÍCIOS / AJUDA/TÍQUETE ALIMENTAÇÃO.

A Lei 13.015/2014, aplicável aos recursos interpostos das decisões publicadas a partir de 22/09/2014 (consoante interpretação do TST estampada no artigo 1º do Ato 491/SEGJUD.GP), inseriu o § 1º-A no artigo 896 da CLT, com a seguinte redação:

"Art. 896. (...)

§ 1º-A. Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:

I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista;

II - indicar, de forma explícita e fundamentada, contrariedade a dispositivo de lei, súmula ou orientação jurisprudencial do Tribunal Superior do Trabalho que conflite com a decisão regional;

III - expor as razões do pedido de reforma, impugnando todos os fundamentos jurídicos da decisão recorrida, inclusive mediante demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade aponte." (g.n.)

IV - transcrever na peça recursal, no caso de suscitar preliminar de nulidade de julgado por negativa de prestação jurisdicional, o trecho dos embargos declaratórios em que foi pedido o pronunciamento do tribunal sobre questão veiculada no recurso ordinário e o trecho da decisão regional que rejeitou os embargos quanto ao pedido, para cotejo e verificação, de plano, da ocorrência da omissão. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)"(g.n.)

Diante deste contexto, não podem ser admitidos recursos cujas razões não indiquem o"trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia", que não apontem de forma"explícita e fundamentada, contrariedade a dispositivo de lei, súmula ou orientação jurisprudencial do TST"que conflite com a decisão regional ou que não contenham impugnação de todos os fundamentos jurídicos da decisão recorrida, com demonstração analítica de cada dispositivo de lei, da Constituição Federal, de súmula ou orientação jurisprudencial cuja contrariedade aponte.

No caso em apreço, não cuidou a parte ora recorrente de indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia, o que acaba prejudicando, por consequência, a demonstração analítica de cada violação ou contrariedade apontada, bem como a verificação de eventual dissenso pretoriano. Vale ressaltar que a transcrição do inteiro teor do acórdão recorrido é providência inócua, na medida em que a parte transfere ao julgador o ônus de pinçar na decisão recorrida o trecho que traz a tese objeto da insurgência recursal, na mão contrária do comando do referido dispositivo legal. Em razão do exposto, não há como se admitir o apelo, face a patente deficiência de fundamentação.

CONCLUSÃO NEGO seguimento ao recurso de revista.

As reclamadas, nas razões do agravo de instrumento, pretendem o processamento do seu recurso de revista.

Analisando as razões do recurso de revista, verifica-se que não foram transcritos os trechos do acórdão do Tribunal Regional que consubstanciam o prequestionamento das matérias objeto da controvérsia, na forma do art. 896, I, do § 1.º-A, da CLT, que dispõe:

§ 1o-A. Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte:

I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista;

Cumpre destacar que a transcrição realizada às fls. 314/315, 316/317, 323, 325 e 327 dos autos eletrônicos não supre a referida exigência legal, na medida em que constitui mera reprodução do inteiro teor do acórdão relativo a cada tema, sem destaque da tese jurídica combatida no apelo.

Nesse sentido tem decidido várias Turmas deste Tribunal, inclusive esta 2.ª Turma, conforme se extrai dos seguintes precedentes:

RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. INDENIZAÇÃO POR PERDAS E DANOS PREVISTA NA LEGISLAÇÃO CIVIL. RECURSO DE REVISTA QUE NÃO ATENDE AOS REQUISITOS DISPOSTOS NO ARTIGO 896, §§ 1º-A, INCISO I, DA CLT. AUSÊNCIA DE INDICAÇÃO DO PREQUESTIONAMENTO. O recurso de revista foi interposto na vigência da Lei nº 13.015, de 2014, que alterou a redação do artigo 896 da CLT, acrescendo a esse dispositivo, entre outros, os §§ 1º-A e 8º, que determinam novas exigências de cunho formal para a interposição do recurso de revista, estatuindo:"§ 1º-A. Sob pena de não conhecimento, é ônus da parte: I - indicar o trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia objeto do recurso de revista"(destacou-se). Na hipótese, verifica-se que a parte não indica, na petição do recurso de revista, o trecho da decisão recorrida em que se encontra prequestionada a matéria objeto de sua irresignação, como exige o art. 896, § 1º-A, inciso I, da CLT, de forma que a exigência processual contida no referido dispositivo não foi satisfeita. Destaca-se que a mera transcrição integral do acórdão recorrido, sem a devida indicação do trecho específico que traz a tese jurídica a qual a parte considera violadora do ordenamento jurídico, com a manutenção da prática de impugnação genérica e dissociada, que era usual na vigência do regramento anterior, não atende a exigência acrescentada pela Lei nº 13.015/2014. Precedentes. Recurso de revista não conhecido. (RR-454-32.2013.5.14.0091, Rel. Min. José Roberto Freire Pimenta, 2.ª Turma, DEJT 4/3/2016) - Grifei

AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 13.015/2014. PRESCRIÇÃO. ACÚMULO DE FUNÇÃO. HORAS EXTRAS. ADICIONAL NOTURNO. INTERVALO PREVISTO NO ARTIGO 384, DA CLT. RECURSO DE REVISTA QUE NÃO ATENDE AO REQUISITO DISPOSTO NO ARTIGO 896, § 1º-A, INCISO I, DA CLT. AUSÊNCIA DE TRANSCRIÇÃO DO TRECHO DA DECISÃO RECORRIDA QUE CONSUBSTANCIA O PREQUESTIONAMENTO DA CONTROVÉRSIA. NÃO ATENDIMENTO DE PRESSUPOSTO INSTITUÍDO PELA LEI 13.015/2014. DESPROVIMENTO DO APELO. Não observado pelo agravante, quando da interposição do recurso de revista, o requisito previsto no artigo 896, § 1º-A, I, da CLT, ao deixar de indicar o trecho da decisão que consubstancia o prequestionamento da matéria impugnada, incabível o processamento do recurso de revista, pois desatendidos os pressupostos de admissibilidade preconizados pela Lei 13.015/2014. A transcrição integral do acórdão em cada uma das matérias impugnadas em sede de recurso de revista não atende ao disposto no artigo 896, § 1º- A, inciso I, da CLT, uma vez que não há, nesse caso, determinação precisa da tese regional combatida no apelo, nem demonstração analítica das violações apontadas. Precedentes desta Corte. Agravo de instrumento desprovido. (AIRR-774-33.2011.5.04.0511, Rel. Desembargador Convocado Cláudio Armando Couce de Menezes, 2.ª Turma, DEJT de 18/12/2015) - Grifei

RECURSO DE REVISTA INTERPOSTO NA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS." CHEERS ". OBRIGAÇÃO DE CANTAR E DANÇAR HINO MOTIVACIONAL DA EMPRESA.A mera transcrição in totum da fundamentação do julgado recorrido, sem a indicação ou explicitação da tese discutida e examinada pelo Tribunal a quo, não é suficiente para satisfazer o pressuposto recursal do prequestionamento. Com efeito, não é possível o exame do recurso de revista quanto ao tema, porquanto as razões recursais não estão conforme o artigo 896, § 1º-A, da CLT, nos termos da redação dada pela Lei nº 13.015/2014. Recurso de revista não conhecido (RR-1092-70.2012.5.04.0611, 2.ª Turma, Rel. Min. José Roberto Freire Pimenta, DEJT 24/4/2015)

RECURSO DE REVISTA DA RECLAMADA. APELO INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI N.º 13.015/2014. INDICAÇÃO DOS TRECHOS DA DECISÃO QUE CONSUBSTANCIAM O PREQUESTIONAMENTO DAS MATÉRIAS IMPUGNADAS. NECESSIDADE. TRANSCRIÇÃO INTEGRAL DOS TÓPICOS DO ACÓRDÃO RECORRIDO. NÃO ATENDIMENTO DA EXIGÊNCIA. Dentre as inovações inseridas na sistemática recursal trabalhista pela Lei n.º 13.015/2014, consta, expressa e literalmente, sob pena de não conhecimento do Recurso de Revista, a exigência de que a parte proceda à indicação do trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da matéria impugnada no Apelo. A transcrição integral do acórdão recorrido, no início ou no final das razões de Revista ou, ainda, a mera transcrição integral dos fundamentos adotados, fracionados por tópicos, com a manutenção da prática de impugnação genérica e dissociada, que era usual na vigência do regramento anterior, não atende à exigência. Com efeito, a nova técnica estabelecida exige que a demonstração da violação legal, da contrariedade a súmula ou da divergência jurisprudencial seja feita de forma analítica, com a indicação do ponto impugnado e a correspondente dedução dos motivos pelos quais se entende que aquele ponto da decisão implica violação legal ou diverge de outro julgado. Recurso de Revista não conhecido. (RR-20565-14.2013.5.04.0221, Rel. Min. Maria de Assis Calsing, 4.ª Turma, DEJT 9/10/2015) - Grifei

AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA EM FACE DE DECISÃO PUBLICADA A PARTIR DA VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DO EFETIVOPREQUESTIONAMENTO. Inviável o conhecimento do recurso de revista em que a parte não indica, de modo específico, o trecho da decisão recorrida que consubstancia o prequestionamento da controvérsia pontuada no apelo. Desatende, assim, a disciplina do artigo 896, § 1-A, I, da CLT, que lhe atribui tal ônus. Agravo de instrumento a que se nega provimento (AIRR-143-72.2013.5.14.0404, 7.ª Turma, Rel. Min. Cláudio Mascarenhas Brandão, DEJT 31/3/2015)

O propósito do art. 896, § 1º-A, da CLT, é impor ao recorrente objetividade, de modo a indicar assertivamente as teses adotadas pelo Tribunal Regional e por quais razões o acórdão estaria em desacordo normativo ou jurisprudencial.

A transcrição de inteiro teor, sem indicação específica ou destaques evidenciando com precisão a tese jurídica que demonstre o prequestionamento da matéria não supre os requisitos processuais impostos pelo art. 896, § 1.º-A, da CLT. Na lição do Exmo. Sr. Ministro Cláudio Brandão:

"Assim, cabe ao recorrente, nas razões do Recurso de Revista, indicar (o que significa transcrever) o trecho da decisão recorrida que revele a resposta do tribunal de origem quanto ao tema, ou seja, o pronunciamento prévio sobre a matéria que pretende seja reapreciado (o denominado prequestionamento).

Não é suficiente, pois, revelar que a decisão merece reforma, mas apontar (revelar, designar, enunciar, mencionar) em qual passagem dos fundamentos adotados pela Corte de origem se encontra contemplada a argumentação que pretende ver reformada.

Essa exigência estará atendida não apenas se houver a transcrição específica do trecho, destacado da ementa ou do corpo do acórdão, conforme a hipótese, como também pode a parte destacá-lo, sublinhando-o ou o negritando, por exemplo. Em qualquer caso, o exame comparativo das teses jurídicas se restringirá ao que houver sido apontado.

A alteração promovida pelo legislador busca evitar que seja do órgão julgador a tarefa de interpretar a decisão impugnada para dela deduzir a tese veiculada e a fundamentação que ampara a pretensão recursal, naquilo que representa o atendimento dos pressupostos que viabilizam o conhecimento do recurso interposto.

(...)

Pelas mesmas razões, também não atende a exigência do prequestionamento a transcrição integral do acórdão do TRT nas razões recursais, sem dele destacar o trecho revelador do prequestionamento, como exemplificam decisões neste sentido(...)"(Reforma do Sistema Recursal Trabalhista, 2.ª Edição, 2016, LTr, p. 107-116.)

Diante do exposto, NEGO PROVIMENTO ao agravo de instrumento.

II - AGRAVO DE INSTRUMENTO DA RECLAMANTE

1 - CONHECIMENTO

Preenchidos os requisitos legais de admissibilidade, CONHEÇO do agravo de instrumento.

2 - MÉRITO

O recurso de revista da reclamante teve seu seguimento denegado pelo juízo primeiro de admissibilidade, aos seguintes fundamentos:

Recurso de: DANIELLE DE OLIVEIRA

PRESSUPOSTOS EXTRÍNSECOS

Tempestivo o recurso.

Regular a representação processual.

Desnecessário o preparo.

PRESSUPOSTOS INTRÍNSECOS

DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO / PENALIDADES PROCESSUAIS.

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR/EMPREGADO / INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL.

DURAÇÃO DO TRABALHO / HORAS EXTRAS.

Alegação (ões):

- contrariedade à(s) Súmula (s) nº 338 do Tribunal Superior do Trabalho.

- violação d (a,o)(s) Consolidação das Leis do Trabalho, artigo 74; Código de Processo Civil, artigo 515/927/10.

- divergência jurisprudencial: .

Registro, inicialmente, que os dispositivos cuja alegada violação não foi devidamente fundamentada não foram sequer elencados, eis que inócua a providência, a teor do disposto no artigo 896, § 1º-A, II e III da CLT.

Nos termos em que prolatada a decisão, não se verificam as violações apontadas. Na verdade, trata-se de mera interpretação dos mencionados dispositivos, o que não permite o processamento do recurso. Não se vislumbra, também, nenhuma afronta à jurisprudência sedimentada da C. Corte.

Os arestos transcritos para o confronto de teses não se prestam ao fim colimado, seja por se revelarem inespecíficos, vez que não se enquadram nos moldes estabelecidos pelas Súmulas 23 e 296 do TST, seja ainda por se revelarem inservíveis, porquanto não contemplados na alínea a do art. 896 da CLT. No mesmo sentido é o entendimento consubstanciado na Orientação Jurisprudencial 111 da SDI-I do TST. Podem ser, ainda, enquadrados na categoria de inservíveis os arestos não adequados ao entendimento consagrado na Súmula 337 do TST.

CONCLUSÃO

NEGO seguimento ao recurso de revista.

A reclamante, nas razões do agravo de instrumento, sustenta que é indevida a multa por embargos de declaração protelatórios, que faz jus a indenização por danos morais decorrentes do desligamento do ao condicionado do avião durante abastecimento o que ocasionava reclamação e xingamentos de clientes, e que a jornada de trabalho na inicial deveria ser acatada, em detrimento de controles de ponto apresentados pela reclamada. Aponta violação dos arts. 5.º, XLI, XLII, LIV e LV, 93, IX, da Constituição Federal, 1026, § 2.º, do CPC, 186, 187 e 927 do Código Civil, e 74 da CLT, bem como contrariedade à Súmula 338 do TST. Colaciona arestos.

Analiso.

Sobre os embargos de declaração, o acórdão embargado já havia decidido, sem margem de omissão, contradição ou obscuridade, que era devido o adicional noturno e horas in itinere.

Sobressai das razões dos aclaratórios que a insurgência da reclamante possui mero intento de protelar o feito, não cabendo alegação de efeitos de prequestionamento tendo em vista a adoção expressa de tese. O caso, portanto, não se enquadra às restritas hipóteses traçadas nos artigos 897-A da CLT e art. 1.022 do NCPC, sendo certo, ainda, que não ficaram configurados os supostos vícios apontados.

Nesse passo, verificado o caráter protelatório dos embargos de declaração, opostos à margem dos requisitos previstos nos arts. 897-A da CLT e 1.022 do CPC, deve ser mantida a penalidade.

Quanto à indenização por danos morais, consta do acórdão:

O dano moral configura-se por um sofrimento decorrente de lesão de direitos não-patrimoniais caracterizado por excesso, abuso, tratamento humilhante sofrido pelo empregado que provoque grave abalo à sua reputação. Assim, não há como se desvincular a figura do dano moral à ocorrência de uma lesão de direito personalíssimo decorrente de ato comissivo ou omissivo ilícito praticado pela empregadora, com a intenção de prejudicar, de forma a configurar a hipótese do artigo 927 do Código Civil.

Para a sua configuração, exige-se a comprovação de 3 elementos: o dano, o ato ilícito e o nexo de causalidade. Na hipótese, não se verifica qualquer ato ilícito do empregador ao desligar o ar condicionado da aeronave para abastecimento. Da análise de outros casos idênticos verificou-se que a ordem decorre de medida de segurança enquanto a aeronave é abastecida, o que não ultrapassa o tempo de uma hora. O desconforto causado a tripulação e passageiros não configura nenhuma medida desarrazoada e que fira os valores extrapatrimoniais.

A prova oral não noticiou constrangimento pelo qual tenha passado a autora em decorrência do desligamento do ar condicionado, refutando, ainda, a alegação de que era obrigada a limpar a aeronave e até vômitos de passageiros após o desembarque. A depoente afirmou que havia equipe própria para tal fim.

Nessa toada, não comprovado o ato ilícito do empregador nem o dano a direitos da personalidade da autora, apenas um mero aborrecimento, não há dever de indenizar.

NEGO PROVIMENTO.

O quadro fático dos autos (Súmula 126 do TST) foi delimitado no sentido de que o" desconforto causado a tripulação e passageiros não configura medida desarrazoada e que fira os valores extrapatrimoniais ". Ademais, não há comprovação de constrangimento comprovado em razão do desligamento do ar condicionado.

Em verdade, a reclamante entende que há dano in re ipsa, porém esta Corte Superior em casos semelhantes já se pronunciou que a situação abordada não extrapola o mero dessabor e aborrecimento. Neste sentido:

AGRAVO DE INSTRUMENTO DA RECLAMANTE. IN 40 DO TST. HORAS EXTRAORDINÁRIAS. DESPROVIMENTO. Diante do descumprimento do artigo 896, § 1º-A, III, da CLT, não há como admitir o recurso de revista. Agravo de instrumento desprovido. AGRAVO DE INSTRUMENTO DA RECLAMADA. IN 40 DO C. TST. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. Diante da ausência de violação dos dispositivos invocados, e do descumprimento do artigo 896, § 1º-A, II e III, da CLT, não há como admitir o recurso de revista. Agravo de instrumento desprovido. AGRAVO DE INSTRUMENTO DA RECLAMADA. IN 40 DO C. TST. DANO MORAL. AERONAVE EM SOLO - AR CONDICIONADO DESLIGADO. PROVIMENTO. Deve ser provido o agravo de instrumento, por possível violação do artigo , X, da CF. Agravo de instrumento provido. RECURSO DE REVISTA DA RECLAMADA. IN 40 DO C. TST. DANO MORAL. AERONAVE EM SOLO - AR CONDICIONADO DESLIGADO. O mero dissabor do dia a dia não enseja a reparação por danos morais. O fato do comissário de bordo ter que atender/ouvir as reclamações dos passageiros em face de o ar acondicionado permanecer desligado quando a aeronave está em solo não constitui fato grave a ensejar a reparação moral pelo empregador. O dano moral a ser indenizado é aquele que excede a normalidade, comprometendo o equilíbrio psicológico do indivíduo. Recurso de revista conhecido e provido . (ARR - 10199-51.2013.5.01.0009, Rel. Min. Aloysio Corrêa da Veiga, 6ª Turma, DEJT 18/08/2017)

"AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA DA RECLAMANTE INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI N.º 13.015/2014 - INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. DESLIGAMENTO DO AR CONDICIONADO DA AERONAVE DURANTE O EMBARQUE E APÓS O POUSO. Constatada divergência jurisprudencial, merece provimento o agravo de instrumento para determinar o processamento do Recurso de Revista. III - RECURSO DE REVISTA DA RECLAMANTE INTERPOSTO SOB A ÉGIDE DA LEI N.º 13.015/2014 - INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. DESLIGAMENTO DO AR CONDICIONADO DA AERONAVE DURANTE O EMBARQUE E APÓS O POUSO. Muito embora o desligamento da ventilação artificial, durante o embarque de passageiros e após o pouso, possa causar, de fato, desconforto aos tripulantes e passageiros, entende-se, quando não constatada qualquer situação ou circunstância excepcional daí decorrentes, que se trata de mero dissabor, não gerando, a conduta da empresa de transporte aéreo, por si só, resultado grave o suficiente para a caracterização de abalo moral. Recurso de revista conhecido e não provido."(TST-ARR-11341-92.2013.5.01.0073, Rel. Min. Márcio Eurico Vitral Amaro, 8.ª Turma, DEJT 19/12/2017.)

"(...). II - AGRAVO DE INSTRUMENTO DA RECLAMADA. RECURSO DE REVISTA. LEI Nº 13.015/2014 E DA IN Nº 40. ANTERIOR À LEI Nº 13.467/2017. (...) DANO MORAL. AERONAVE EM SOLO. AR CONDICIONADO DESLIGADO. 1 - Foram preenchidas as exigências do art. 896, § 1º-A, da CLT. 2 - Por se vislumbrar possível violação ao art. , X, da CF, prudente o provimento do agravo de instrumento. 3. Agravo de instrumento a que se dá provimento. III - RECURSO DE REVISTA DA RECLAMADA. VIGÊNCIA DA LEI Nº 13.015/2014 E DA IN Nº 40. ANTERIOR À LEI Nº 13.467/2017. DANO MORAL. AERONAVE EM SOLO. AR CONDICIONADO DESLIGADO. 1 - O quadro fático delineado pelo TRT é o seguinte: a reclamante, comissária de voo, foi exposta a ambiente com altas temperaturas, em decorrência do desligamento do ar condicionado da aeronave em solo, fato que provocou a irá dos passageiros, os quais a agrediram com ofensas. 2 - Discute-se nos autos se é devida indenização por danos morais, em decorrência dos fatos consignados pelo TRT. 3 - Embora relevante a matéria, esta 6ª Turma, examinando questão idêntica (ARR-10199-51.2013.5.01.0009), firmou tese no sentido de que não há ofensa aos direitos da personalidade da reclamante pelas alegações de que os passageiros ficavam aborrecidos por conta do calor, em razão do desligamento do ar condicionado, tratando-se de situações que causam mero aborrecimento e dessabor ao empregado. 4 - Recurso de revista de que se conhece e a que se dá provimento"(ARR-10585-57.2013.5.01.0017, 6ª Turma, Rel. Min. Kátia Magalhães Arruda, DEJT 07/12/2018).

"AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA DAS RECLAMADAS. DANOS MORAIS. CONFIGURAÇÃO. AERONAVE. DESLIGAMENTO DO AR CONDICIONADO DURANTE O ABASTECIMENTO. RECLAMAÇÕES ADVINDAS DOS PASSAGEIROS. Demonstrada afronta ao artigo 5.º, X, da CF/88, o processamento do Apelo é medida que se impõe. Agravo de Instrumento conhecido e parcialmente provido. RECURSO DE REVISTA DAS RECLAMADAS. DANOS MORAIS. CONFIGURAÇÃO. AERONAVE. DESLIGAMENTO DO AR CONDICIONADO DURANTE O ABASTECIMENTO. RECLAMAÇÕES ADVINDAS DOS PASSAGEIROS. Discute-se nos autos o direito à indenização por danos morais, em face da determinação da Empregadora de desligamento do ar condicionado da aeronave, durante o abastecimento, fato que, por ocasionar desconforto aos passageiros, acarreta diversas reclamações direcionadas aos comissários de bordo. A questão já foi objeto de exame por esta Corte Superior, tendo prevalecido o entendimento, ao qual se filia a Relatora, de que a situação, conquanto cause aborrecimento, não constitui fato grave o suficiente a ensejar a indenização vindicada. Precedentes. Recurso de Revista conhecido e provido. (...)"(ARR-11045-15.2014.5.01.0080, 4ª Turma, Rel. Min. Maria de Assis Calsing, DEJT 04/05/2018).

Diante do exposto, nego provimento quanto ao tema.

Finalmente, a reclamante sustenta que as escalas presentes dos documentos apresentados pela reclamada são inverídicas e apócrifas, motivo pelo qual seria cabível a condenação ao pagamento de horas extras e intervalor intrajornada.

Entretanto, o trecho do acórdão transcrito e indicado para fins de prequestionamento não serve para este fim. A respectiva transcrição não permite a cognição ampla das matérias debatidas, uma vez que não retrata toda a situação fática e jurídica delineada nos presentes autos, de forma que não abrange todos os fundamentos adotados no acórdão regional recorrido.

O propósito do art. 896, § 1º-A, da CLT, é impor ao recorrente objetividade, de modo a indicar assertivamente as teses adotadas pelo Tribunal Regional e por quais razões o acórdão estaria em desacordo normativo ou jurisprudencial.

A transcrição sem indicação específica ou destaques evidenciando com precisão a tese jurídica que demonstre o prequestionamento da matéria não supre os requisitos processuais impostos pelo art. 896, § 1.º-A, da CLT. Na lição do Exmo. Sr. Ministro Cláudio Brandão:

"Assim, cabe ao recorrente, nas razões do Recurso de Revista, indicar (o que significa transcrever) o trecho da decisão recorrida que revele a resposta do tribunal de origem quanto ao tema, ou seja, o pronunciamento prévio sobre a matéria que pretende seja reapreciado (o denominado prequestionamento).

Não é suficiente, pois, revelar que a decisão merece reforma, mas apontar (revelar, designar, enunciar, mencionar) em qual passagem dos fundamentos adotados pela Corte de origem se encontra contemplada a argumentação que pretende ver reformada.

Essa exigência estará atendida não apenas se houver a transcrição específica do trecho, destacado da ementa ou do corpo do acórdão, conforme a hipótese, como também pode a parte destacá-lo, sublinhando-o ou o negritando, por exemplo. Em qualquer caso, o exame comparativo das teses jurídicas se restringirá ao que houver sido apontado.

A alteração promovida pelo legislador busca evitar que seja do órgão julgador a tarefa de interpretar a decisão impugnada para dela deduzir a tese veiculada e a fundamentação que ampara a pretensão recursal, naquilo que representa o atendimento dos pressupostos que viabilizam o conhecimento do recurso interposto."(Reforma do Sistema Recursal Trabalhista, 2.ª Edição, 2016, LTr, p. 107-116.)

Assim, o recurso de revista não reúne condições de admissibilidade.

Incólumes, portanto, os dispositivos legais e constitucionais apontados como violados.

Diante do exposto, NEGO PROVIMENTO ao agravo de instrumento.

ISTO POSTO

ACORDAM os Ministros da Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho, por unanimidade, negar provimento aos agravos de instrumento.

Brasília, 11 de setembro de 2019.

Firmado por assinatura digital (MP 2.200-2/2001)

DELAÍDE MIRANDA ARANTES

Ministra Relatora


fls.

PROCESSO Nº TST-AIRR-10535-52.2013.5.01.0010



Firmado por assinatura digital em 11/09/2019 pelo sistema AssineJus da Justiça do Trabalho, conforme MP 2.200-2/2001, que instituiu a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira.