jusbrasil.com.br
20 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Superior do Trabalho TST - RECURSO DE REVISTA : RR 986-90.2011.5.04.0402 986-90.2011.5.04.0402

Tribunal Superior do Trabalho
há 8 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
8ª Turma
Publicação
DEJT 30/08/2013
Julgamento
28 de Agosto de 2013
Relator
Dora Maria da Costa
Documentos anexos
Inteiro TeorRR_9869020115040402_1378495657992.rtf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

RECURSO DE REVISTA.

1. DANOS MORAIS. RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO EMPREGADOR. TRANSPORTE DE VALORES. OCORRÊNCIA DE ASSALTOS. DANOS PSÍQUICOS. TEORIA DO RISCO DA ATIVIDADE. Esta Corte tem entendido que o artigo , XXVIII, da Constituição Federal, ao consagrar a teoria da responsabilidade subjetiva, por dolo ou culpa do empregador, não obsta à aplicação da teoria da responsabilidade objetiva às lides trabalhistas, mormente quando a atividade desenvolvida pelo empregador pressupõe a existência de risco potencial à integridade física e psíquica do trabalhador e o acidente ocorreu na vigência do novo Código Civil. Efetivamente, o artigo da Constituiçãoda República, ao elencar o rol de direitos mínimos assegurados aos trabalhadores, não exclui a possibilidade de que outros venham a ser reconhecidos pelo ordenamento jurídico infraconstitucional, tendo em mira que o próprio caput do mencionado artigo autoriza ao intérprete a identificação de outros direitos, com o objetivo da melhoria da condição social do trabalhador. De outra parte, a teoria do risco da atividade empresarial sempre esteve contemplada no artigo da CLT, e o Código Civil de 2002, no parágrafo único do artigo 927, reconheceu, expressamente, a responsabilidade objetiva para a reparação do dano causado a terceiros. No caso dos autos, não há dúvida quanto ao risco imanente à atividade empresarial de transporte de valores, tendo em vista que o reclamante, como vigilante de carro forte, foi vítima de assaltos sob ameaças e na mira de armas de fogo, sendo devida a reparação correspondente, em razão dos danos morais sofridos. Recurso de revista não conhecido.
2. DANOS MATERIAIS. Referida matéria carece de prequestionamento, uma vez que o Regional não adotou tese específica a respeito, incidindo o óbice da Súmula nº 297, I, do TST. Recurso de revista não conhecido.
3. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. REQUISITOS. Segundo a diretriz das Súmulas nº s 219 e 329 deste Tribunal, na Justiça do Trabalho a condenação ao pagamento de honorários advocatícios, nunca superiores a quinze por cento, não decorre pura e simplesmente da sucumbência, devendo a parte estar assistida por sindicato da categoria profissional e comprovar a percepção de salário inferior ao dobro do salário mínimo ou encontrar-se em situação econômica que não lhe permita demandar sem prejuízo do próprio sustento ou da respectiva família. Recurso de revista conhecido e provido.
Disponível em: https://tst.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/24128898/recurso-de-revista-rr-9869020115040402-986-9020115040402-tst

Informações relacionadas

Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região TRT-10 : 0000510-79.2015.5.10.0811 DF

Rafael Rossignolli De Lamano, Advogado
Modeloshá 3 anos

Reclamação Trabalhista - Doença ocupacional - Síndrome de Burnout

Tribunal Superior do Trabalho
Jurisprudênciahá 5 anos

Tribunal Superior do Trabalho TST - EMBARGO EM RECURSO DE REVISTA : E-RR 163600-10.2009.5.16.0004