jusbrasil.com.br
20 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Superior do Trabalho TST : Ag 889-93.2016.5.06.0003

Tribunal Superior do Trabalho
há 7 meses
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
6ª Turma
Publicação
18/06/2021
Julgamento
16 de Junho de 2021
Relator
Katia Magalhaes Arruda
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

AGRAVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. LEI Nº 13.467/2017. RECLAMADA. HORAS EXTRAS. CARGO DE CONFIANÇA 1

- A decisão monocrática negou provimento ao agravo de instrumento porque não atendidos pressupostos de admissibilidade do recurso de revista, ficando prejudicada a análise da transcendência. 2 - No caso dos autos, constata-se, da leitura do trecho do acórdão do TRT transcrito no recurso de revista, que o reclamante, apesar de ocupar a função de gerente de loja, não tinha autonomia nas decisões administrativas e "estava subordinado ao gerente distrital, tendo inclusive que avisar nas ocasiões em que precisasse chegar mais tarde ou sair mais cedo do trabalho" (fl. 1.501). Além disso, suas decisões "eram submetidas à apreciação de outro setor ou da gerência distrital" (fl. 1.501). 3 - O TRT também registrou, no trecho transcrito, que o reclamante tampouco preencheu o requisito objetivo do cargo de confiança, qual seja, não recebeu o aumento salarial previsto no art. 62, II, da CLT. 4 - Diante de tais circunstâncias, o TRT deferiu o pagamento de horas extras, pois entendeu que o reclamante não se enquadrava no art. 62, II, da CLT. 5 - Na decisão monocrática ora combatida, foi mantida a decisão do TRT, pois, para modificá-la, seria necessário o reexame de fatos e provas (óbice da Súmula nº 126 do TST). 6 - Não há nada a reformar na decisão monocrática quanto ao tema em epígrafe, pois efetivamente seria necessária a reanálise do arcabouço fático-probatório a fim de se discutir - nesta instância extraordinária - o enquadramento do reclamante no cargo de confiança do art. 62, II, da CLT. Como se sabe, tal procedimento é vedado pela Súmula nº 126 do TST. 7 - Agravo a que se nega provimento. VALOR DA INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL 1 - A decisão monocrática negou provimento ao agravo de instrumento porque não atendidos pressupostos de admissibilidade do recurso de revista, ficando prejudicada a análise da transcendência. 2 - Na decisão monocrática, concluiu-se que os trechos transcritos pela parte eram insuficientes para demonstrar o prequestionamento da matéria, pois "não deixam claro qual doença profissional acometeu o reclamante, informação essencial para se aferir a gravidade do dano e o grau de culpa das partes". 3 - Além disso, registrou-se que não há tese, nos trechos transcritos, a respeito do art. 223-G, § 1º, da CLT. 4 - Por essas razões, não foram atendidos os incisos I e III, da CLTquanto ao tema em epígrafe, pois, a partir dos trechos transcritos, ficou materialmente inviável o confronto analítico. 5 - Diante de tais elementos, a decisão monocrática revela-se irretocável. 6 - Agravo a que se nega provimento.
Disponível em: https://tst.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1234156213/ag-8899320165060003

Informações relacionadas

Tribunal Superior do Trabalho TST - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA : AIRR 889-93.2016.5.06.0003

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região
Jurisprudênciahá 8 meses

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região TRT-3 - RECURSO ORDINARIO TRABALHISTA : RO 0010007-86.2020.5.03.0181 MG 0010007-86.2020.5.03.0181

Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região TRT-15 : ROT 0010860-59.2018.5.15.0140 0010860-59.2018.5.15.0140