jusbrasil.com.br
8 de Dezembro de 2016
    Adicione tópicos

    TST - RECURSO DE REVISTA : RR 728004720055240005 72800-47.2005.5.24.0005

    PRESCRIÇÃO PARA A COBRANÇA DE MULTA ADMINISTRATIVA -PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SENTENÇA - VIOLAÇÃO LITERAL E DIRETA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL NÃO CONFIGURADA - SÚMULA 266 DO TST.

    Tribunal Superior do Trabalho
    há 9 anos
    Processo
    RR 728004720055240005 72800-47.2005.5.24.0005
    Orgão Julgador
    7ª Turma,
    Publicação
    DJ 11/04/2008.
    Julgamento
    9 de Abril de 2008
    Relator
    Ives Gandra Martins Filho
    Andamento do Processo

    Ementa

    PRESCRIÇÃO PARA A COBRANÇA DE MULTA ADMINISTRATIVA -PROCESSO DE EXECUÇÃO DE SENTENÇA - VIOLAÇÃO LITERAL E DIRETA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL NÃO CONFIGURADA - SÚMULA 266 DO TST.

    1. Em sede de execução de sentença, o recurso de revista somente é admissível com base em violação literal e direta de dispositivo constitucional (CLT, art. 896, § 2º). A adjetivação da ofensa não é supérflua, uma vez que a via recursal, nessa hipótese, é excepcionalíssima. Violar literalmente significa sentenciar com base em tese exatamente oposta à prevista na Carta Magna. E violar diretamente significa decidir matéria disciplinada pela Constituição, sem necessidade de conclusão prévia de desrespeito a norma infraconstitucional.

    2. -In casu-, a pretensão da União é discutir, na seara da execução de sentença, a prescrição a ser aplicável para a cobrança de multa administrativa aplicada pelo Órgão de Fiscalização do Trabalho, questão que passa, obrigatoriamente, pelo exame de violação direta de normas infraconstitucionais. O dispositivo constitucional indicado pela Agravante (CF, art. 146, III, b) dispõe que cabe à lei complementar estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente sobre prescrição e decadência. No entanto, justamente em face desse dispositivo constitucional é que o CTN detém -status- de lei complementar, conforme, inclusive, é reconhecido no apelo revisional. De todo modo, o citado dispositivo da Constituição não reporta, em momento algum, qual o prazo prescricional a ser observado para a cobrança da multa administrativa. Nesse passo, revela-se imprópria a alegação de violação do referido dispositivo da Constituição. A revista também não prospera pela indicação de afronta ao art. , -caput-, da CF, pois o dispositivo se refere ao princípio da isonomia, aspecto superado pelo acórdão revisando, que foi enfático ao consignar que o art. da Lei 6.830/80 equipara as dívidas de natureza tributária e não-tributária, estabelecendo que ambas sejam objeto de ação de execução fiscal.

    3. Assim, se os dispositivos constitucionais apontados não foram vulnerados em sua literalidade e de maneira frontal, o recurso de revista tropeça no óbice da Súmula 266 do TST.Recurso de revista não conhecido.

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.
    Disponível em: http://tst.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1995296/recurso-de-revista-rr-728004720055240005-72800-4720055240005

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)